Como diretores de fotografia trabalham com atores

Já falamos anteriormente sobre a direção de atores e o trabalho intenso entre eles e diretores, mas como é parte da relação entre eles e diretores de fotografia? Transcrevemos o vídeo da Cooke Optics Tv que ajuda a contar um pouco mais sobre ela, nele alguns diretores de fotografia de grandes produções contam um pouco mais sobre como lidam com atores e diretores.

Fabian Wagner
Diretor de Fotografia – Liga da Justiça, Game of Thrones, Sherlock

Nós (eu e o diretor) conversamos sobre posicionamento e o que funcionaria na cena. Você nunca sabe ao certo e isso é uma das coisas legais, o ator pode vir ao set e geralmente eles vão exatamente ao canto oposto que você estava pensando ou que gostaria que eles fossem, pois você poderia iluminar melhor.

Gavin Finney
Diretor de Fotografia – Wolf Hall, The Fear, De Bico Calado, Missão Especial de Natal

Eu geralmente fico mais feliz com o diretor no mesmo ambiente, se ele está em outro ambiente no monitoramento de vídeo, está perdendo muita coisa… perdendo aquele tipo de interação e perdendo o que não está na câmera, se ele está no mesmo local com um pequeno monitor é muito melhor e ele consegue obter o que quer do ator. Eu não tenho a autoridade de dizer para repetir algo, o diretor pode estar satisfeito e ele dirá para fazermos de novo se necessário, mas este diálogo precisa ser entre ator e diretor, você não pode entrar no meio dessa autoridade “ator/diretor”. Você pode ajudar a confirmar algo, mas ao final você precisa acreditar que o diretor vai obter o que ele quer. Pois, na verdade, o diretor pode estar tentando obter apenas um trecho de um plano de três minutos onde o ator não foi tão bem ao final dele, mas o diretor já conseguiu essa parte no plano anterior, então ele está tentando obter as primeiras falas e o ator não necessariamente sabe disso, então você lida com cuidado sobre o que o diretor quer obter.

Sean Bobbitt
Diretor de Fotografia – 12 anos de escravidão, O lugar onde tudo termina, Shame

Eu opero a câmera, então a tendência é que eu esteja muito próximo dos atores fisicamente, geralmente mais próximo que o diretor que geralmente está em um monitor um pouco mais longe. É uma relação bem interessante e desafiadora a que você desenvolve com os atores, pois você não é o diretor, não pode dar a eles direções e frequentemente ao final de plano os atores têm a tendência de procurar por alguma forma de aprovação e eu sou a pessoa que está mais perto deles, então geralmente olham para mim. Não posso dar a eles essa aprovação, não é o meu trabalho e não quero ficar entre o ator e o diretor. Rola muita diplomacia, eu sorrio muito, até pareço um pouco ingênuo. Mas eu não posso dizer nada, não depois do diretor ter falado com eles e mesmo assim eu nunca falarei diretamente com ator sobre qualquer coisa relacionada à atuação dele, eu falarei ao diretor e caberá a ele decidir se deve dizer ou não ao ator.

John de Borman
Diretor de Fotografia – Educação, Revolução em Dagenham, Ou tudo, ou nada, O quarteto

O diretor de fotografia não é só um cara técnico, ele precisa ter envolvimento emocional com a história, mas este envolvimento ocorre pelo lado visual, o diretor pode ter este envolvimento pelo lado visual também, mas ele é o principal responsável pela performance. A combinação de quando eu olho na lente e vejo algo na atuação, os atores gostam disso também, se eu olho e vejo algo que talvez não funcione tão bem, vou ao diretor e pergunto se ele não gostaria de fazê-lo novamente, pois houve um pouco de hesitação ou que não funciona e decidimos.

É sempre interessante ver como profissionais que já estão há décadas no mercado lidam com as relações dentro do set, além de importante, chega a ser essencial ouvir os mais experientes para não cometer erros ou causar mal estar em uma equipe de produção apenas por não saber ao certo como lidar em determinadas situações.

Deixe seu comentário

comentários

Pin it

Graduado em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos, já passou por diversos ramos da comunicação e atuou no Brasil e Canadá. Atualmente trabalha em São Paulo onde executa as funções de filmmaker e editor.

Back to top
[i]
[i]