É possível obter boas gravações com smartphones?

Não é segredo que todas as câmeras e equipamentos relacionados a vídeo evoluíram muito durante os últimos anos, além disso, a capacidade de processamento de equipamentos eletrônicos também seguiu esse processo de evolução.

Hoje em dia quase qualquer pessoa tem um smartphone no bolso, variando em potência de acordo com a possibilidade e vontade de cada usuário em investir neles, todos têm uma câmera que grava vídeos.

Com isto, chegamos ao questionamento: será que não está na hora de você dar os primeiros passos utilizando o que tem em mãos?

O que esperar de um smartphone?

Smartphones são produtos feitos para o grande público e não necessariamente têm o foco em desenvolver todo seu potencial em vídeo, por isso, geralmente os comandos nativos dos sistemas operacionais para esta finalidade deixam um pouco a desejar.

Parar obter resultados mais consistentes recomendamos o uso de aplicativos específicos, que conseguem oferecer muito mais controle ao usuário, eles serão citados mais à frente. Além disso, é importante saber onde executar a gravação.

Gravações em ambientes fechados

Executando as gravações em estúdio é possível obter muito mais controle da quantidade e tipo de luz atingindo o objeto iluminado, isto é importante, pois em qualquer falta de luz o ruído que os aparelhos geram na imagem ao tentar compensá-la é muito grande.

Claro que este controle sobre as luzes só se aplica caso você possua uma iluminação dedicada para seu vídeo em seu estúdio/casa, caso contrário, o uso de luz natural é importante e essencial para bons resultados.

Gravações ao ar livre

Cuidado com gravações onde a luz do Sol incide diretamente, geralmente a alta variação entre tons escuros e claros desse tipo de luz não é bem processada pelos aparelhos, brancos ou pretos sem informação “denunciam” uma imagem sem boa exposição ou feita em um smartphone.

Em resumo, destes aparelhos é possível esperar imagens boas o suficiente para muito aprendizado e crescimento narrativo. Claro que eles não darão toda a gama de opções de uma câmera com lentes intercambiáveis, mas são um ótimo começo.

O que utilizar para gravar com celulares

A lista de equipamentos e acessórios é enorme e vai depender das necessidades de cada pessoa, mas um tripé com adaptador para celular são coisas que não saem muito caro e essenciais para quase qualquer gravação.

O “Vastar Universal“, por exemplo, sai por cerca de seis dólares na Amazon e já resolve o problema de adaptadores para tripés de boa parte dos celulares, investimentos simples e com bom custo-benefício.

Vastar Universal – Fonte: Divulgação

Com a economia em não precisar adquirir uma câmera é possível pensar em outros equipamentos ou acessórios que podem agregar valor à produção como: iluminação, rebatedores (isopor ou mais profissionais), lentes adicionais para o celular e microfones.

Um detalhe importante é o peso dos aparelhos, por serem muito leves as movimentações deles acabam não sendo condizentes às feitas em narrativas com câmeras e equipamentos pesados que nos habituamos a ver no cinema.

As DSLR’s também sofreram com isso e muitas pessoas adicionavam peso ao conjunto de gravação, principalmente quando era necessária a câmera na mão, para pode emular melhor a movimentação dela em relação às imagens vistas no cinema tradicional.

Gravação de Áudio

Os microfones de smartphones em geral apresentam um qualidade bem aceitável dependendo do ambiente e proximidade do aparelho em relação à fonte sonora, mas isso não é tudo, é possível maximizar a qualidade do áudio gravado.

Desde lapelas que se ligam ao aparelho até minimicrofones direcionais, atualmente há todos os tipos de opções para quem quer gravar áudio com maior qualidade. O RØDE VideoMic Me é uma ótima opção para captação de alta qualidade, inclusive com a possibilidade de monitorar o áudio de maneira instantânea.

Além disso, é possível usar uma tática bem prática e com ótimos resultados: acoplar uma lente grande angular ao celular, desta forma o ângulo de captura aumenta e é possível chegar mais próximo ao seu rosto, com a diminuição da distância a qualidade de captura do áudio melhora.

Cuidados com a lente do celular

A maioria dos smartphones possuem lentes grande angulares, os motivos técnicos para essa escolha são vários e, de maneira geral, visam facilitar a utilização por todo tipo de usuário, por isso é importante ficar atento a alguns detalhes durante a gravação com elas.

Estes detalhes já são conhecidos por profissionais experientes, mas podem afetar as imagens de pessoas começando a gravar e que não levam o tipo de lente em consideração, como a descompressão do objetos em cena e possíveis distorções leves com a lente posicionada de forma não perpendicular à pessoa.

O iPhone 7 vem com duas câmeras traseiras exatamente por isso, sendo uma grande angular e outra teleobjetiva, o que torna a qualidade da imagem fechada muito melhor, pois o que o zoom digital faz é basicamente ampliar a imagem com perda de qualidade, com duas câmeras é possível ter uma imagem óptica mais fechada.

Mas… gravar ficção com meu celular?

A pergunta deveria ser: por que não? Se esta é a única possibilidade no momento, as chances de você (na pior das hipóteses) ganhar bastante experiência narrativa são enormes e com algum aplicativo que dê um “up” na câmera é possível fazer muitas coisas.

Ainda acha difícil? Veja este vídeo do canal Film Riot de quase cinco anos atrás e gravado com um iPhone 4S e o aplicativo FilMic Pro, lembre-se que neste meio tempo os celulares evoluíram muito (estamos na versão 7 do iPhone).

Aplicativos como este são importantes, pois trazem vários controles manuais ao vídeo, o número de opções é variada e é possível escolher entre versões pagas, lite e aplicativos gratuitos de acordo com as políticas das empresa por trás deles.

O próprio FilMic Pro possui versões para iOS e Android, embora a segunda não seja muito bem avaliada pelos usuários, mas há mais opções e é possível decidir qual é mais interessante para cada momento.

  • Open Camera – Gratuito
  • Cinema FV-5 – Pago (versão lite disponível)
  • FilMic Pro – Pago

Um dos casos mais famosos de filmes gravados com celular foi “Tangerine”, lançado em 2015 e gravado com um iPhone 5S com a ajuda do FilMic Pro e lentes adicionais da Moondog Lab’s.

A última versão beta do FilMic Pro inseriu a possibilidade de gravar perfis log/flat, algo que até pouco tempo era restrito especificamente a câmeras mais profissionais. As cenas a seguir foram feitas pelo diretor de fotografia e colorista Matteo Bertoli, lembrando que as imagens são em 4K também.

Mudanças de foco  e Bokeh

As empresas vêm trabalhando continuamente em seus aparelhos para melhorar cada vez mais a possibilidade de obter variações na profundidade de campo, mas o sensor pequeno e peças em tamanho reduzido limitam este efeito.

Entretanto, o que há algum tempo atrás era inimaginável, já é possível! As câmeras em smartphones já conseguem atingir certo nível na variação da profundidade de campo. A grande questão é que o bokeh (ou fundo desfocado) neles ocorre com a necessidade de um dos objetos bem próximos à câmera.

Mas as empresas já têm tralhado em saídas óptico/digitais para gerar o desfoque sem a necessidade de proximidade tão grande, um dos exemplos é o iPhone 7, que possui este tipo de interação para gerar o desfoque em fotografias.

Lentes “add-on” ou acopláveis

O que as lentes que são vendidas como “add-ons” de smartphones fazem é aumentar a versatilidade da lente na câmera do aparelho, de acordo com cada necessidade é possível adquirir uma lente e melhorar a performance visual.

Entre algumas das fabricantes e modelos mais famosos deste tipo de lentes temos:

Por que gravar com meu celular?

Quem viveu os tempos de vacas magras do vídeo, onde toda e qualquer câmera era cara e “engessada”, sabe que mesmo a câmera de um celular não tão caro é capaz de gerar imagens bem satisfatórias e, em quase todos os casos, em FullHD.

O celular pode ser o primeiro passo para sair da teoria e ir para a prática, com aplicativos (alguns gratuitos) é possível obter controle sobre algumas variáveis do aparelho como ISO, velocidade do obturador, balanço de branco, etc.

Apesar do controle narrativo sobre o visual ser bem menor no celular (não é possível trabalhar com lentes de diferentes compressões e texturas), ele pode dar uma ótima base sobre controles de exposição para quem ainda não pode ou tem dinheiro para investir em uma câmera mais complexa. 

4K no seu bolso

Quase todas as pessoas andam com uma câmera razoavelmente potente em seus bolsos e não se dão conta disso. Não para por aí, é possível começar a ganhar noções de edição também no próprio aparelho, através de outros aplicativos.

Claro que os smartphones ainda estão longe de substituírem um fluxo de trabalho profissional, por isso, este post é voltado muito mais para entusiastas e pessoas interessadas em produzirem vídeos, mas que ainda acham que não têm as ferramentas necessárias para isso.

O mais importante não é o que utilizar para fazer seu filme, mas obter o conhecimento necessário para saber como usar o que você tem em mãos, agora é perder o medo de tentar e começar a aprender com seu próprio smartphone.

 

 

 

Deixe seu comentário

comentários

Tagged under: , , , , , ,

Pin it

Graduado em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos, já passou por diversos ramos da comunicação e atuou no Brasil e Canadá. Atualmente trabalha em São Paulo onde executa as funções de filmmaker e editor.

Back to top
[i]
[i]