Teste de Latitude em Subexposição – GH4

Já citamos Shane Hurlbut anteriormente aqui no Cinematográfico e hoje ele  está de volta com uma análise profunda sobre o limite da latitude na Panasonic GH4. No vídeo a seguir ele “puxa” a exposição da câmera até o limite e dá dicas valiosas sobre a intensidade de luz de preenchimento e silhueta, assim como a exposição e saturação para a GH4 e algumas DLSR.

Panasonic GH4 – Teste de Latitude

  • Qualidade: 4K UHD
  • Lente: Veydra 25mm
  • ISO: 800
  • Temperatura:3200
  • Obturador: 180º

Iluminação

  • Preenchimento: F1.4
  • Contra: F2.0
  • Principal: F5.6

Como a luz principal é F5.6 isso significa que nosso valor IRE será definido por essa exposição. Antes de começarmos cabe explicar que a exposição “-/+0” quer dizer que estão expondo exatamente para a luz presente no rosto da modelo.

Quando Shane estava gravando Ato de Valor com uma Canon 5D Mark II ele sabia que possuía 9 1/2 stops de latitude, isso dava a ele o feedback necessário sobre o que era preciso fazer para atingir determinadas iluminações como, por exemplo, criar a diferença entre luz de silhueta e principal. O teste serve exatamente para atingir o limite da câmera, assim o diretor de fotografia sabe até onde pode ir com o equipamento e quando ele começará a deixá-lo na mão.

Exposição: F5.6

Iniciamos então com exposição padrão obtida pelo fotômetro que seria um F5.6 em um arquivo flat. Essa configuração gera a seguinte imagem:Primeiro - Teste

Seguindo temos a primeira correção aplicada, o que gera este resultado: Primeiro Teste - Grade - 0400

A pele dela parece melhor após aplicá-lo, talvez fosse interessante saturar um pouco mais. Mas uma dica que Shane diz ter percebido nas DSLR’s é que uma pequena variação de saturação geralmente já fica proeminente ou ultrapassa o necessário, então é importante ficar atento a este detalhe no momento da exposição no set e posteriormente ao corrigir as cores. Essa é a comparação entre as duas imagens:

Primeiro Teste - Grade - 0415 - Side by Side

Ele gosta do cabelo e tom de pele da modelo, mas consegue perceber que a tabela de cores está um pouco sem saturação, no entanto, a questão da saturação muito delicada nas DSLR’s faz com que ele mantenha este nível.

Exposição: F4

Na sequência eles tiram um stop de exposição, ou seja, passando de F5.6 para F4. Segundo Teste - Exposicao

Durante estes testes é possível descobrir não só o limite da câmera, como outros detalhes muito interessantes. Por exemplo, durante o trabalho de Shane com a Canon 5D Mark II ele percebeu que a câmera não “gostava” da exposição precisa conforme foi feito no primeiro teste no rosto da atriz. Outras câmeras como RED e Arri adoram luz, mas com a Canon ele trabalhou sempre de 2/3 a 1 stop em subexposição.Segundo Teste - Grade - 0546

Acima vemos a imagem já com a correção aplicada, ele gosta do resultado sem o grade e na apliação da correção dá para ver que, novamente, os tons de pele ganham vida, o cabelo dela ganhou riqueza. Olhando atentamente não há grãos ou ruído, há um pouquinho na imagem por causa da compressão do Vimeo. Na comparação entre as duas imagens temos:Segundo Teste - Grade - Comparacao - 0707

Para lidar com a GH4 em 2/3 ou 1 stop abaixo na exposição teríamos, por exemplo:

Se você vê seu medidor em 800 de ISO a F5.6 e queremos diminuir 2/3 ou 1 stop, você define seu medidor em 1280 ou 1600, isso irá te dar a subexposição desejada.

No terceiro teste ele busca a exposição ideal do início do vídeo, então puxa um pouco mais o contraste, dá para perceber que a câmera perde um pouco de saturação e um pouco de informação de cor.Terceiro Teste - Grade - 0756

Colocando o primeiro e segundo testes lado a lado dá para perceber que a subexposição ajuda nas cores e saturação dos tons de pele e cabelo.Terceiro Teste - Grade - Comparacao - 0804

Exposição: F2.8

Dando sequência ao teste passamos para um exposição com dois stops a menos, o que seria equivalente a F2.8. Esta é a versão flat da imagem:Quarto - Teste - Ungraded - 0855

Passando para a versão com correção de cor acabamos indo um pouco longe demais, ao descermos dois stops da exposição a imagem começa a ficar suja, fica um pouco esfumaçado nos pretos do lado esquerdo da imagem. A cor mudou bastante, ela acabou ficando um pouco amarelada/dourada. Quarto - Teste - Ungraded - 0918

Quarto - Teste - Comparacao - 0942

Logo depois eles puxam um pouco mais a exposição em F2.8 para -/+0, onde já é possível perceber bastante ruído. Explicando novamente: a câmera foi subexposta e depois a imagem está sendo “puxada” para buscar o 5.6.Quarto - Teste - mais ou menos zero - 0959

Ela perde bastante saturação, mas como foi dito no início, adicionar saturação em arquivos de DSLR pode não funcionar muito bem.Quarto - Teste - 0 side by side

Ao expor corretamente a câmera não entrega algo ruim, mas ao começar a exigir mais da exposição, começam os problemas. Na sequência temos a exposição inicial à esquerda e a subexposição em 2 stops com a tentativa de igualar o IRE da pele da modelo à direita. Para Shane ela perde vitalidade.Quarto - Teste - Inicio e Final - 1135

Exposição: F2

Próximo passo: Exposição em menos 3 stops, ou seja, F2. E o que Shane quer ver é a latitude na luz principal. O que estamos procurando é quando a luz principal fica tão escura que você mal pode vê-la, essa é a latitude que você pode usar na sua luz de preenchimento.Quinto - Teste - -3 - 1222

Na comparação mesmo o arquivo flat já apresenta uma granulação. Quinto - Teste - Comparacao - 1336

Na sequência vamos tentar puxar a imagem para trazer o rosto à exposição ideal. Você começa a perder detalhe, há bastante ruído, a cor começa a se perder um pouco. Vemos a exposição puxando o IRE ao lado da exposição co , principalmente o tom de pele na exposição -3 não parece tão bom, ele aparenta ser falso, plástico, sem cor ou profundidade.Quinto - Teste - Comparacao - IRE - 1401

Enquanto na imagem com exposição -1 havia mais profundidade que a original, na exposição -3 tudo começa a se perder. Quinto - Teste - Comparacao - IRE e Primeiro - 1409

Exposição: F1.4

O próximo teste com menos um stop na exposição entrega a seguinte imagem:Sexto - Teste - -4

Fazendo a correção de cor dela percebemos ser um bom patamar para o preenchimento, pois vemos que a luz principal acaba se tornando a de preenchimento. É algo que agrada aos olhos, como uma luz de preenchimento a noite.Sexto - Teste - -4 - Graded
Sexto - Teste - -4 - Side by Side

Ao empurrarmos a exposição para a ideal acabamos vendo muito ruído, muitas câmeras acabam sucumbindo neste nível também, então isso não é exclusividade da GH4.Sexto - Teste - -4 - +-0

O nível de ruído é muito alto e nesta câmera ele não se parece com granulação, o visual fica bastante digital.Sexto - Teste - -4 - +-0 - Comparação

Sexto - Teste - -4 - +-0 - Comparação - primeiro

Exposição F1.0

Agora vamos diminuir a exposição em cinco níveis e este será um ótimo ponto para a definição de uma silhueta. Sete - Teste - -5

Você não necessariamente está procurando por emoções no rosto dela e sim um pouco de detalhe apenas para saber de quem se trata. Para Shane provavelmente 4 stops e meio abaixo seriam ideais para este resultado.Sete - Teste - -5 - GRADE

Sete - Teste - -5 - side by side
Empurrando a exposição para a ideal a câmera atinge seu limite e a imagem fica péssima. O ruído digital toma formas verdes, vermelhas e azuis. Sete - Teste - IRE - -+0

Definitivamente fora de qualquer padrão aceitável, mas era exatamente isso que estávamos tentando fazer, definir o limite da GH4.Sete - Teste - -+0 - side by side

Sete - Teste - começo - sidebyside

Resumo dos Resultados Obtidos

Subexpor a GH4 entre -2/3 a -1 stop é uma ótima ideia. Porém, conseguimos perceber que não é muito viável subexpor muito a câmera e tentar trazer essa informação de volta, ela perde informação de cor e detalhes. Lembrando que durante o processo de correção de cor qualquer variação de saturação acaba sendo extrema, este é um equipamento que naturalmente já trabalha no limite da saturação.

O ruído não parece em nada com granulação ou filme, ele tem cara de digital mesmo, principalmente quando está muito presente com variações RGB. Também aprendemos que uma subexposição em -4 stops é uma boa opção como luz de preenchimento e – 4 1/2 ou -5 stops é um ótimo visual para obter uma silhueta.

O ideal é assistir ao vídeo no Vimeo em 1080p para conseguir perceber todos os detalhes que Shane cita, no entanto, pode ser que algum deles não consigam ser notados rapidamente por causa da compressão do vídeo para web e também por Shane ter analisado o arquivo original em um monitor calibrado. Por isso em alguns momentos pode ser que a análise dele seja muito mais profunda e precisa do que conseguimos ver na imagem final comprimida.

 

Deixe seu comentário

comentários

Tagged under: , , , ,

Pin it

Graduado em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos, já passou por diversos ramos da comunicação e atuou no Brasil e Canadá. Atualmente trabalha em São Paulo onde executa as funções de filmmaker e editor.

Back to top
[i]
[i]